Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (julho de 2016) SAD

Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (julho de 2016) SAD

RESUMO 

Em julho de 2016, o SAD detectou 539 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal, com uma cobertura de nuvens de 7% do território. Isso representou uma redução de 1% em relação a julho de 2015 quando o desmatamento somou 542 quilômetros quadrados e a cobertura de nuvens foi de 13%.

Em julho de 2016, o desmatamento ocorreu no Amazonas (35%), Rondônia (29%), Mato Grosso (21%), Pará (12%) e Acre (3%). O desmatamento acumulado no período de agosto de 2015 a julho de 2016, correspondendo aos doze meses do calendário atual do desmatamento, totalizou 3.579 quilômetros quadrados. Houve aumento do desmatamento acumulado de 8% em relação ao período anterior (agosto de 2014 a julho de 2015), quando o desmatamento somou 3.322 quilômetros quadrados.

As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 664 quilômetros quadrados em julho de 2016. Em relação a julho de 2015 houve um aumento de 176%, quando a degradação florestal somou 240 quilômetros quadrados.

A degradação florestal acumulada no período de agosto de 2015 a julho de 2016 (excluindo os dados de junho de 2016) totalizou 6.226 quilômetros quadrados. Em relação ao período anterior (agosto de 2013 a julho de 2014) houve aumento de 185% quando a degradação florestal somou 2.186 quilômetros quadrados.

 

*Os dados de degradação florestal de junho de 2016 ainda estão sendo analisados e, portanto, podem estar subestimados.

Estatística de Desmatamento

De acordo com o SAD, o desmatamento (supressão total da floresta para outros usos alternativos do solo) atingiu 539 quilômetros quadrados em julho de 2016 (Figura 1 e Figura 2).

 fig_1_2016_07

Figura 1. Desmatamento de agosto de 2014 a julho de 2016 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/SAD).

 SAD julho 2016_desmatamento

Figura 2.  Desmatamento e Degradação Florestal em julho de 2016 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/ SAD).

Em julho de 2016, o desmatamento ocorreu no Amazonas (35%), Rondônia (29%), Mato Grosso (21%), Pará (12%) e Acre (3%) (Figura 3).

O desmatamento acumulado no período de agosto de 2015 a julho de 2016, correspondendo aos doze meses do calendário oficial de medição do desmatamento, atingiu 3.579 quilômetros quadrados. Houve aumento de 8% do desmatamento em relação ao período anterior (agosto de 2014 a julho de 2015) quando atingiu 3.322 quilômetros quadrados.

fig_3_2016_07

Figura 3. Percentual do desmatamento nos Estados da Amazônia Legal em julho de 2016 (Fonte: Imazon/SAD).

Considerando os doze meses do calendário atual de desmatamento (agosto de 2015 a julho de 2016), o Pará lidera o ranking com 29% do total desmatado no período. Em seguida aparece Mato Grosso (27%) e Amazonas (24%). Em termos relativos, houve redução de 70% no Acre e 47% em Roraima.

Em termos absolutos, o Pará lidera o ranking do desmatamento acumulado com 1.030 quilômetros quadrados, seguido pelo Mato Grosso (949 quilômetros quadrados) e Amazonas (871 quilômetros quadrados) (Tabela 1).

Tabela 1. Evolução do desmatamento entre os Estados da Amazônia Legal de agosto de 2014 a julho de 2015 e agosto de 2015 a julho de 2016 (Fonte: Imazon/SAD).

Captura de Tela 2016-08-31 às 12.45.31

*Os dados do Maranhão não foram analisados.

Degradação Florestal 

Em julho de 2016, o SAD registrou 664 quilômetros quadrados de florestas degradadas (florestas intensamente exploradas pela atividade madeireira e/ou queimadas) (Figuras 2 e 4). Desse total, a maioria (71%) ocorreu em Roraima, seguido por Mato Grosso (19%), Pará (5%), Amazonas (4%) e Rondônia (1%).

fig_4_2016_07

Figura 4. Degradação Florestal de agosto de 2014 a julho de 2016 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/SAD).

Tabela 2. Evolução da degradação florestal entre os Estados da Amazônia Legal de agosto de 2014 a julho de 2015 e agosto de 2015 a julho de 2016 (Fonte: Imazon/SAD).

Captura de Tela 2016-08-31 às 12.45.39

*Os dados do Maranhão não foram analisados.

**Os dados de degradação florestal de junho de 2016 ainda estão sendo analisados e, portanto, podem estar subestimados.

Geografia do Desmatamento

Em julho de 2016, a maioria (67%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em Unidades de Conservação (20%), Assentamentos de Reforma Agrária (12%) e Terras Indígenas (1%) (Tabela 3).

Tabela 3. Desmatamento por categoria fundiária em julho de 2016 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/ SAD).

Captura de Tela 2016-08-31 às 11.32.01

Assentamentos de Reforma Agrária

O SAD registrou 66 quilômetros quadrados de desmatamento nos Assentamentos de Reforma Agrária em julho de 2016 (Figura 5). Os Assentamentos mais afetados pelo desmatamento foram PA Rio Juma (Apuí; Amazonas), PDS Realidade (Humaitá; Amazonas) e PAE Antimary (Boca do Acre; Amazonas).

Captura de Tela 2016-08-31 às 11.32.14

Figura 5. Assentamentos de Reforma Agrária mais desmatados em julho de 2016 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/SAD).

Áreas Protegidas

No mês de julho de 2016, o SAD detectou 108 quilômetros quadrados de desmatamento nas Unidades de Conservação (Figura 6). No caso das Terras Indígenas, em julho de 2016 foram detectados 7 quilômetros quadrados de desmatamento (Figura 7).

Captura de Tela 2016-08-31 às 11.32.26

Figura 6. Unidades de Conservação mais desmatadas na Amazônia Legal em julho de 2016 (Fonte: Imazon /SAD).

Captura de Tela 2016-08-31 às 13.05.19

Figura 7. Terras Indígenas desmatadas na Amazônia Legal em julho de 2016 (Fonte: Imazon /SAD).

Municípios Críticos

Em julho de 2016, os municípios mais desmatados foram: Lábrea (Amazonas) e Porto Velho (Rondônia) (Figura 8 e 9).

Captura de Tela 2016-08-31 às 11.32.48

Figura 8. Municípios mais desmatados na Amazônia Legal em julho de 2016 (Fonte: Imazon /SAD).

SAD julho 2016_municipios

Figura 9. Municípios com maiores áreas desmatadas em julho de 2016 (Fonte: Imazon/SAD).

Cobertura de Nuvem e Sombra 

Em julho de 2016, foi possível monitorar com o SAD 93% da área florestal na Amazônia Legal. Os outros 7% do território florestal estavam cobertos por nuvens o que dificultou a detecção do desmatamento e da degradação florestal.  Os Estados com maior cobertura de nuvem foram Amapá (44%) e Roraima (35%). Em virtude disso, os dados de desmatamento e degradação florestal em julho de 2016 podem estar subestimados (Figura 10).

SAD julho 2016_nuvens

Figura 10. Área com nuvem e sombra em julho de 2016 na Amazônia Legal (Fonte: Imazon/ SAD).

* A parte do Maranhão que integra a Amazônia Legal não foi analisada.

SAD-EE

Desde agosto de 2012 a detecção de alertas de desmatamento e degradação florestal vem sendo realizada na plataforma Google Earth Engine (EE), com a nova versão SAD EE. Esse sistema foi desenvolvido em colaboração com a Google e utiliza o mesmo processo já utilizado pelo SAD 3.0 (Quadro I), com imagens de reflectância do MODIS para gerar os alertas de desmatamento e degradação florestal.

Quadro I: SAD 3.0

Desde agosto de 2009, o SAD apresentou algumas novidades. Primeiro, criamos uma interface gráfica para integrar todos os programas de processamento de imagem usados no SAD. Segundo, começamos a computar o desmatamento em áreas que estavam cobertas por nuvens nos meses anteriores em uma nova classe. Por último, o desmatamento e a degradação são detectados com pares de imagens NDFI em um algoritmo de detecção de mudanças. O método principal continua o mesmo do SAD 2.0 como descrito abaixo. O SAD gera mosaico temporal de imagens MODIS diárias dos produtos MOD09GQ e MOD09GA para filtragem de nuvens. Em seguida, utilizamos uma técnica de fusão de bandas de resolução espectrais diferentes, ou seja, com pixels de diferentes tamanhos. Nesse caso, fizemos a mudança de escala das 5 bandas com pixel de 500 metros do MODIS para 250 metros. Isso permitiu aprimorar o modelo espectral de mistura de pixel, fornecendo a capacidade de estimar a abundância de Vegetação, Solos e Vegetação Fotossinteticamente Não-Ativa (NPV do inglês – Non-Photosynthetic componentes (Vegetação, Solo e Sombra) para calcular o NDFI, com a equação abaixo:

NDFI = (VGs – (NPV + Solo)

  (VGs +NPV+Solo)

Onde VGs é o componente de Vegetação normalizado para sombra dado por: VGs = Vegetação/(1- Sombra) O NDFI varia de -1 (pixel com 100% de solo exposto) a 1 (pixel com > 90% com vegetação florestal). Dessa forma, passamos a ter uma imagem contínua que mostra a transição de áreas desmatadas, passando por florestas degradadas, até chegar a florestas sem sinas de distúrbios. A detecção do desmatamento e da degradação passou esse mês com a diferença de imagens NDFI de meses consecutivos. Dessa forma, uma redução dos valores de NDFI entre -200 e -50 indica áreas possivelmente desmatadas e entre -49 e -20 com sinais de degradação. O SAD 3.0 Beta é compatível com as versões anteriores (SAD 1.0 e 2.0), porque o limiar de detecção de desmatamento foi calibrado para gerar o mesmo tipo de resposta obtida pelo método anterior. O SAD já está operacional no Estado de Mato Grosso desde agosto de 2006 e na Amazônia Legal desde abril de 2008. Nesse boletim, apresentamos os dados mensais gerados pelo SAD de agosto de 2014 a julho de 2016.