Imazon participa do IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação em Florianópolis

Imazon participa do IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação em Florianópolis

Amazônia conservada e sustentável mostra a cara no Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação

No Espaço Amazônia, Imazon e organizações de ciência e meio ambiente, apresentam iniciativas que estão dando certo na conservação do bioma. Portal Proteja, novo ImazonGeo, publicações sobre Áreas Protegidas e a atuação na Calha Norte estão dentre os assuntos que serão abordados pelos nossos pesquisadores durante os três dias de evento.

 

CBUC AreasProtegidas convite - Imazon participa do IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação em Florianópolis

 

 

Parques, reservas, estações ecológicas, florestas nacionais, refúgios de vida silvestre. Qual seja a forma, categoria ou tamanho, é bem possível que você conheça uma ou mais unidades de conservação (UCs) no Brasil. Criadas para conservar nosso patrimônio natural e os serviços que as águas, florestas e animais oferecem à humanidade, as UCs são o foco do Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), que começa no próximo dia 31 de julho na capital catarinense. Dona de mais de 300 áreas protegidas e de uma impressionante sociobiodiversidade, a Amazônia é destaque no evento, com um espaço feito por organizações que trabalham para a conservação do bioma. Confira:

Visite o Espaço Amazônia

O “Espaço Amazônia – florestas e comunidades” é um estande com 72 m² que estará no Centro de Convenções Centrosul (Av. Gov. Gustavo Richard, 850 – Centro) em Florianópolis, sede da nona edição do CBUC.

Construído a várias mãos por organizações não governamentais (ONGs) de ciência e meio ambiente, o espaço é um convite a descobrir os encantos e desafios da Amazônia, suas florestas, povos e águas, e tudo que envolve os debates atuais sobre a conservação das riquezas da região.

Entre a programação eclética do congresso, o Espaço Amazônia vai dar aos visitantes uma agenda com palestras, diálogos, lançamentos de livros, entre outras atividades interativas. Tudo seguindo o tema “Uso sustentável nas unidades de conservação e o papel das populações tradicionais no manejo e conservação da Amazônia”. A visitação é pública, gratuita e está aberta de 12h30 às 19h. Conheça a programação completa.

Conservar a natureza com presença e ações humanas

Além das atrações no estande, o Espaço Amazônia vai estar presente em outros formatos ao longo dos três dias do IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. A começar pelo primeiro dia de evento, 31 de julho, com o diálogo “Tecnologias inovadoras e acessíveis para gestão de UCs e para populações locais na Amazônia”. Em debate, iniciativas de levantamento de dados de gestão ambiental e sustentabilidade com participação social. O debate acontece na Sala Vip do Centrosul, de 13h às 14h30.

Na quarta-feira, 1º de agosto, a mesa-redonda “Contribuição das cadeias de valor e populações tradicionais para conservação das Unidades de Conservação” levanta uma discussão fundamental: o papel dos povos que habitam áreas protegidas na Amazônia para a conservação.

Projetos de extrativismo e manejo sustentável em diferentes partes da região, como a Terra do Meio e Calha Norte, ambas no Pará, e Mamirauá, no estado do Amazonas, estarão em foco. E são protagonistas dessas atividades que vão compartilhar suas visões e perspectivas sobre o tema. Moradores e usuários de unidades de conservação, manejadores de pirarucu e extrativistas de copaíba estão entre os participantes da mesa.

“Não dá para pensar a gestão de território e conservação do meio ambiente na Amazônia sem envolver as populações tradicionais”, afirma Roberto Palmieri, secretário executivo adjunto do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) e um dos organizadores da programação do Espaço Amazônia. “A ideia da mesa é dar espaço para a voz dessas pessoas serem ouvidas, de forma autêntica e direta”. A mesa-redonda acontece na Arena Haroldo Palo Jr., com espaço para 150 pessoas, entre 13h30 e 14h30.

O Espaço Amazônia também vai oferecer duas reuniões técnicas nos dias 1 e 2 de agosto, ambas das 17h às 18h30, com os temas “Gestão do conhecimento para conservação envolvendo populações locais” e “O que é consolidação de unidades de conservação? ”, respectivamente.

 

Confira aqui a programação completa do Espaço Amazônia.

 

Unidos pela conservação da Amazônia

Fazem parte do Espaço Amazônia um verdadeiro time de ONGs que somam décadas de experiências e atuação em diversas frentes da Amazônia brasileira, do Acre ao Maranhão, de Roraima ao Mato Grosso. Seja nas áreas de proteção à fauna, flora e povos tradicionais, manejo de recursos naturais ou investigações científicas de ponta, essas organizações representam a linha de frente da conservação amazônica.

São elas: o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), Fundação Vitória Amazônica (FVA), Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas , Instituto Socioambiental (ISA), Kanindé – Associação de Defesa Etnoambiental, Wildlife Conservation Society (WCS) Brasil , Woods Hole Research Center (WHRC) e World Wild Fund for Nature (WWF) Brasil.

Todas as ONGs integram a chamada Iniciativa Andes-Amazônia. Lançada em 2003 pela Fundação Gordon and Betty Moore, a iniciativa tem como meta conservar a biodiversidade e a função climática da Bacia Amazônica a longo prazo. Uma das principais estratégias adotadas pelas organizações é apoiar a criação e gestão efetiva de áreas protegidas na Amazônia, como as unidades de conservação. Com milhões de dólares de investimento na Iniciativa Andes-Amazônia, a norte-americana Fundação Moore é a maior doadora privada da conservação da Amazônia. Saiba mais aqui.

“Para cuidar da biodiversidade da Amazônia, as áreas protegidas, tantos as unidades de conservação quanto as terras indígenas, têm importância fundamental”, ressalta Marina Thereza (Maitê) Campos Quinlan, representante da Fundação Moore no Brasil. “A Iniciativa Andes-Amazônia se dedica a promover a conservação e o desenvolvimento sustentável, trabalhando e apoiando ONGs, organizações indígenas, instituições de pesquisa, agências governamentais e parceiros comprometidos do setor privado”.

O que é o CBUC

Com mais de 20 anos de história, o Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação é um dos principais congressos da América Latina sobre a conservação da natureza.

Idealizado e organizado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, o CBUC reúne a cada edição centenas de especialistas em biodiversidade e gestão ambiental para tratar das Unidades de Conservação em território nacional e de formas de fortalecer essas áreas protegidas.

Em 2018, o Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação acontecerá em Florianópolis, Santa Catarina, nos dias 31 de julho e 1 e 2 de agosto. Saiba mais: https://eventos.fundacaogrupoboticario.org.br/IXCBUC.