Greenpeace: gado de desmatamento ilegal é consumido mundialmente

Greenpeace: gado de desmatamento ilegal é consumido mundialmente

A ONG Greenpeace lança nesta segunda-feira (1º) relatório que afirma que a carne e o couro produzidos em áreas de desmatamento recente e ilegal na Amazônia são vendidos mundialmente. A organização ambientalista chama de ‘consumo cego’, a compra de produtos que ajudam a promover a destruição da floresta. Para mostrar que o gado produzido à custa de irregularidades ambientais chega a lugares tão distantes como a Ásia, a organização rastreou milhares de notas fiscais e guias de transporte.

Gráfico divulgado no relatório do Greenpeace mostra a relação entre o aumento da área desmatada e a quantidade de cabeças de gado criadas na Amazônia.

Os documentos apontam, por exemplo, a negociação de gado oriundo de terra indígena e áreas embargadas pelo Ibama por excesso de desmatamento com grandes frigoríficos exportadores.

A cadeia produtiva que absorve o gado “pirata se estende até a Europa, a Ásia e a América do Norte, onde o couro é usado, segundo o Greenpeace, para a produção de calçados, bancos de couro para automóveis, entre outros produtos. A carne é revendida por cadeias de supermercados mundo afora.

“Antes de exportar, os frigoríficos da região amazônica embarcam carne ou pele para fábricas processadoras a milhares de quilômetros de distância no sul do país. Em diversos casos, processamento adicional é realizado nos países importadores antes que o produto final chegue ao mercado, detalha o Greenpeace.

A organização critica o governo brasileiro por investir em grandes companhias do setor pecuário por meio do BNDES. “A expansão destes grupos é, efetivamente, um empreendimento conjunto com o governo brasileiro, argumenta a organização ambientalista.