Diagnóstico Socioeconômico e Florestal do município de Paragominas

Diagnóstico Socioeconômico e Florestal do município de Paragominas

outros10Pinto, A., Amaral, P., Souza Jr., C., Veríssimo, A., Salomão, R., Gomes, G., & Balieiro, C. 2009. Diagnóstico Socioeconômico e Florestal do município de Paragominas (p. 65). Belém: Imazon.

Paragominas tem atualmente 748 mil hectares (38,7% do município) de áreas em que a floresta foi completamente removida (corte raso) e 130 mil hectares (6,8%) de floresta que estavam altamente degradadas em 2008. O tamanho atual da área desmatada no município é suficiente para a manutenção dos níveis de produção de 2007/2008 das principais atividades econômicas que demandam áreas abertas, a saber: pecuária (que ocupa 80% das áreas abertas), agricultura familiar (ocupando 14,5%) e cultivo de grãos − arroz, milho e soja (com 4,5% das áreas desmatadas), restando 1% das áreas abertas sem uso identificado.

Entretanto, os imóveis rurais possuem diferentes intensidades de passivo ambiental (ou, até mesmo, de ativos florestais), requerendo avaliações pontuais para o planejamento do uso da terra segundo as necessidades de adequação ambiental de cada imóvel.

No contexto de replanejamento do uso do espaço é propícia a disseminação de técnicas e/ou de novas atividades econômicas já praticadas no município como: (i) integração lavoura-pastagem com rotação de culturas para aumentar a produtividade da pecuária bovina; (ii) reflorestamento com espécies nativas para recuperar áreas abertas e gerar matéria-prima sustentável para as indústrias de compensado, de móveis e de MDF; (iii) implantação de SAFs para recomposição de reservas legais e geração de renda para produtores agroextrativistas; e (iv) fortalecimento do manejo florestal sustentável para aproveitamento racional do potencial florestal.

Baixe aqui o arquivo