Regeneration of big-leaf mahogany in closed and logged forests of southeastern Pará, Brazil.

Regeneration of big-leaf mahogany in closed and logged forests of southeastern Pará, Brazil.

artigocie4Grogan, J., Galvão, J., Simões, L., & Veríssimo, A. 2003. Regeneration of Big-Leaf Mahogany in Closed and Logged Forests of Southeastern Pará , Brazil. In A. Lugo, J. Colón, & M. Alayón (Eds.), Big-Leaf Mahogany: Genetics, Ecology, and Management. Ecological Studies 159. (1a Edição., pp. 193–208).

Este capítulo descreve os padrões de regeneração do mogno ( Swietenia macrophylla King ) em florestas exploradas e não exploradas. O trabalho foi conduzido em três zonas de transição floresta-cerrado no sudeste da Amazônia brasileira. Estudos experimentais e observações sobre a ecologia das sementes e mudas sob condições encontradas em mata fechada indicam: (i) os padrões da produção anual de sementes podem ser sobrepostos por ciclos supra-anuais de floração e frutificação; (ii) as taxas de germinação em florestas fechadas são maiores; e (iii) a densidade de mudas é maior num raio de 40 metros partindo da árvore matriz. A sobrevivência da regeneração natural foi de 18,2% depois de dez meses. Foram encontradas mudas em 65% das clareiras abertas na mata pela exploração de mogno ocorrida de dois a três anos antes da coleta da amostragem. Dessas mudas, 63% tinham menos de 70 cm, ou seja, estavam oprimidas sob a cobertura de vegetação mais rigorosa. Os autores sugerem que os sistemas de manejo do mogno levem em consideração a contabilidade dos ciclos de produção de sementes e que a sua adoção manejo deveria ocorrer em escalas temporais e espaciais que simulassem os regimes de distúrbio que regulam o padrão de distribuição natural das árvores adultas.