Maior área com exploração madeireira ocorreu dentro do Território Amanayé, no município de Goianésia do Pará, que teve mais de mil hectares afetados

 

Policia Federal - Extração ilegal de madeira cresce 11 vezes em terras indígenas do Pará
Madeira apreendida pela Polícia Federal em operação contra extração ilegal em terras indígenas de Rondônia, em 2020 (Foto: Polícia Federal)


Neste Dia da Árvore, a Amazônia não tem muito o que comemorar. O aumento da invasão de madeireiros nas terras indígenas da região tem ameaçado a vida de vários povos e causado prejuízos à biodiversidade da floresta. No Pará, a área com extração ilegal de madeira dentro dos territórios indígenas cresceu 11 vezes em um ano. O dado é de uma pesquisa da Rede Simex, integrada por quatro instituições ambientais: Imazon, Idesam, Imaflora e ICV.

Segundo a publicação, a área com exploração madeireira nos territórios indígenas do estado passou de 158 hectares entre agosto de 2019 e julho de 2020 para 1.720 hectares entre agosto de 2020 e julho de 2021. Ou seja: a área afetada pela atividade ilegal dentro dessas áreas protegidas cresceu 1.000%.

Outro problema identificado pelos pesquisadores foi o aumento no número de terras indígenas invadidas pela atividade ilegal. No estudo que envolveu 2019 e 2020, apenas o território Baú havia tido extração madeireira. Já na publicação mais recente, que leva em conta 2020 e 2021, essa terra e mais outras quatro haviam sofrido com a invasão para extração de madeira.

O território mais impactado foi o Amanayé, que fica no município de Goianésia do Pará. Embora presente na base de dados de terras indígenas da Fundação Nacional de Índio (Funai), esse território ainda aguarda homologação, o que o coloca ainda mais em risco. No local, 1.255 hectares tiveram exploração de madeira entre agosto de 2020 e julho de 2021, o que corresponde a 73% da área com a atividade ilegal nas terras indígenas do Pará.

A segunda área indígena mais afetada no período foi a Baú, com 205 hectares (12%); seguida da Sarauá, com 117 hectares (7%); da Cachoeira Seca, com 94 hectares (5%) e da Anambé, com 49 hectares (3%). Isso coloca em risco a vida e a cultura de pelo menos seis povos, sendo um deles de indígenas isolados: Amanayé, Isolados Pu´rô, Mebêngôkre Kayapó, Mebêngôkre Kayapó Mekrãgnoti, Arara e Anambé.

Info Simex 1 - Extração ilegal de madeira cresce 11 vezes em terras indígenas do Pará

 

Unidades de conservação também passam a ser alvo da atividade ilegal

O estudo também identificou que houve exploração ilegal de madeira nas unidades de conservação, territórios onde a publicação anterior não havia encontrado registros da atividade irregular em áreas acima de 1 hectare — tamanho a partir do qual a Rede Simex mapeia a extração de madeira. Entre agosto de 2020 e julho de 2021, no entanto, foram encontrados 126 hectares com exploração madeireira não autorizada em unidades de conservação do Pará.

A maior parte ocorreu na Floresta Nacional do Jamanxim, que fica nos municípios de  Itaituba e Novo Progresso. No local, 56 hectares tiveram registros de exploração madeireira, o que corresponde a 45% da área afetada irregularmente nas unidades de conservação paraenses. Em segundo lugar ficou a Floresta Nacional de Altamira, com 44 hectares (35%), a Florestal Estadual de Iriri, com 18 hectares (15%) e o Parque Nacional do Jamanxim, com 7 hectares (6%).

“O aumento da exploração de madeira dentro das terras indígenas e o registro nas unidades de conservação é extremamente preocupante, pois indica que esses territórios que por lei devem ser protegidos com prioridade não estão recebendo a atenção necessária para barrar novas invasões”, afirma o pesquisador do Imazon Dalton Cardoso.

Info Simex 2 - Extração ilegal de madeira cresce 11 vezes em terras indígenas do Pará

Exploração madeireira não autorizada representa 41% da atividade no estado

Em todo o Pará, a publicação identificou 57.079 hectares com extração de madeira entre agosto de 2020 e julho de 2021, um aumento de 14% em relação ao período passado, quando foram registrados 50.139 hectares com a atividade.

De toda a área explorada no estado, 23.390 hectares tiveram extração de madeira sem autorização dos órgãos ambientais, o que representa 41% do total. Já a área autorizada chegou aos 33.690 hectares, 59%.

Em relação com o período passado, quando 27.595 hectares foram explorados sem permissão, a área com atividade irregular reduziu 15%. Por outro lado, a extração autorizada, que somava 22.544 hectares no estudo anterior, aumentou 49% entre agosto de 2020 e julho de 2021.

“Essa redução na exploração madeireira não autorizada é positiva, mas ainda precisa melhorar muito. Não podemos ter dois hectares com irregularidades a cada cinco com extração de madeira na Amazônia”, afirma Cardoso.

Veja o estudo aqui
Saiba mais sobre o monitoramento
aqui


Leia também:

APÓS DIGITAR O TEXTO, PRESSIONE ENTER PARA COMEÇAR A PESQUISAR